domingo, 24 de maio de 2009

2ª Blogagem Coletiva em Defesa da Infância

Olá!!!

Aqui está mais uma Matéria que trouxe do Blog: http://diganaoaerotizacaoinfantil.wordpress.com.

Esse BLOG é fantástico!!! Está sempre trazendo informações muito importantes sobre diversos assuntos ligados aos nossos filhos, sejam eles bebês, crianças, adolescentes, jovens.... Vale Á pena conferir!!!

Praticar violência contra uma criança é crime. E para isto existe uma legislação específica – O Estatuto da Criança e do Adolescente –que está aí para determinar a punição. No Brasil é caso de polícia.

• Só para se ter uma idéia da gravidade da questão, é bom lembrar que todos os dias mais de 18 mil crianças são espancadas no país, segundo dados da UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância. Segundo a UNICEF, as mais afetadas são meninas entre sete e 14 anos.

• No Brasil, onde existe uma população de quase 67 milhões de crianças de até 14 anos, são registrados por ano 500 mil casos de violência doméstica de diferentes tipos. Em 70% dos casos os agressores são pais biológicos.


A violência contra a criança é crescente, mas nem sempre ocorre na forma de abuso sexual, tema que vem sendo amplamente discutido.
Levantamento inédito do Núcleo de Atenção a Criança Vítima de Violência, da Universidade do Rio de Janeiro(UFRJ) mostra, com base de dados coletados de 1996 a Junho deste ano, que:
• 29,1% de meninos e meninas são vítimas de abuso físico.
• A violência sexual aparece em segundo lugar – 28,9%
• 25,7% sofreram negligência
• 16,3% abuso psicológico

Atitudes de pessoas responsáveis que desejam proteger as crianças:

"RECONHECER O COMPORTAMENTO ABUSIVO"

O abuso de crianças diz respeito a um ato cometido por um pai, responsável ou pessoa em posição de confiança (mesmo que não cuide da criança no dia-a-dia), ato que não seja acidental e que prejudique ou ameace prejudicar a saúde física ou mental e o bem-estar da criança. Há quatro tipos básicos de abuso no caso de crianças:

O abuso físico ocorre quando um adulto machuca uma criança fisicamente, sem ter havido um acidente. Inclui comportamentos como:

*Agredir
*Sacudir ou dar palmadas
*Queimar ou escaldar
*Chutar
*Sufocar

A negligência consiste em maus tratos ou negligência que prejudique a saúde, o bem-estar ou a segurança de uma criança.
Pode incluir negligência física, emocional ou educacional através de atos como:

*Abandono
*Recusa em buscar tratamento para uma doença
*Supervisão inadequada
*Riscos à saúde dentro de casa
*Indiferença para com a necessidade que a criança tem de contato, elogio e estímulo intelectual
*Nutrição emocional inadequada
*Recusa em procurar escola para a criança
*Sonegação de alimentos

O abuso emocional afeta profundamente a auto-estima da criança, submetendo-a a agressão verbal ou crueldade emocional. Nem sempre envolve feridas visíveis. Pode incluir situações como:

*Confinamento estrito, como num guarda-roupa
*Educação inadequada
*Disciplina exagerada
*Permissão consciente para ingerir álcool ou drogas
*Ridículo

O abuso sexual envolve contato sexual entre uma criança ou adolescente e um adulto ou pessoa significativamente mais velha e poderosa.
As crianças, pelo seu estágio de desenvolvimento, não são capazes de entender o contato sexual ou resistir a ele, e podem ser psicológica ou socialmente dependentes do ofensor.
O abuso sexual abrange qualquer toque ou carícia imprópria, incluindo comportamentos como incesto, molestamento, estupro, contato oral-genital e carícia nos seios e genitais.
Além do contato sexual, a violência pode incluir outros comportamentos abusivos como estimular verbalmente de modo impróprio uma criança ou adolescente, fotografar uma criança ou adolescente de modo pornográfico ou mostrar-lhe esse tipo de fotos, expor uma criança ou adolescente à pornografia ou atividade sexual de adultos.

"USAR DEVIDAMENTE AS OPORTUNIDADES DE ENSINAR AS CRIANÇAS"

*Ninguém tem o direito de tocar as partes íntimas do seu corpo ou fazer com que não se sintam à vontade com o que se diz de seu corpo ou o de outra pessoa. As crianças têm o direito de dizer um audível e enfático Não até mesmo a parentes e amigos que fizerem isso.
*Os adultos não devem pedir que as crianças guardem segredo daquilo que fazem juntos. Se alguém pedir que a criança guarde esse tipo de segredo, ela deve contar a seus pais, à professora ou outro adulto, imediatamente. Pelo menos a metade de todos os casos de abuso sexual de crianças ocorre dentro da família.
*Não devem permitir que alguém tire fotografias delas, parcial ou totalmente despidas. Se alguém sugere fazer isso ou lhes mostrar fotos de outras crianças nessa situação, devem relatar o incidente aos pais, à professora ou a outro adulto, imediatamente.
*As crianças devem relatar aos pais, à professora ou a um adulto se alguém faz comentários tolos sobre sexo, mostra figuras pornográficas ou faz gestos obscenos (ou algum gesto que elas não entendam).
*As crianças também devem contar se alguém lhes oferece presentes ou dinheiro.
*Nunca devem abrir a porta para alguém, se estiverem sozinhas em casa.
*Nunca devem dizer a alguém pelo telefone que estão sozinhas em casa. Tampouco devem responder perguntas.
*Nunca devem entrar na casa ou no carro de alguém sem prévia autorização verbal dos pais. *Não é seguro ou apropriado que os pais transmitam essa permissão através de outro adulto.
*Não devem sentir-se responsáveis por ajudar adultos estranhos a procurar um endereço, bicho de estimação, etc. É impróprio que os adultos procurem esse tipo de ajuda com as crianças.
*As crianças devem saber como usar o telefone numa emergência. Devem saber o número do telefone de sua casa e como usar os números de emergência. Devem ser ensinadas a acessar um operador em telefone público se não tiverem cartão.
*Toda criança deve conhecer as três regras de “segurança e sobrevivência” para a prevenção do abuso:Dizer NÃO!Afastar-se imediatamente!Contar a alguém!

"RECONHECER POSSÍVEIS INDÍCIOS DE ABUSO CONTRA CRIANÇA "

Os possíveis indicadores de abuso mencionados abaixo não constituem necessariamente prova de que uma criança esteja sendo abusada ou negligenciada. Devem servir como sinais de alerta no sentido de se observar a situação e procurar ajuda para saber se a criança precisa ou não de ajuda. Confie nos seus instintos se achar que uma família ou pessoa está em apuros.

Alguns possíveis indícios são:

Conduta da criança

*Comportamento autodestrutivo ou agressivo
*Fraturas, feridas, contusões inexplicadas ou explicações improváveis para o estágio de desenvolvimento da criança
*Depressão, passividade
*Comportamento hiperativo ou demolidor
* Conduta sexualizada ou conhecimento precoce de comportamento sexual explícito; pseudo-maturidade
*Fugas, conduta promíscua
*Uso de álcool ou drogas, desordem alimentar
*Isolamento da criança em relação à família
*Expectativas exageradas dos pais

Conduta dos pais

*A raiva contra a criança parece desproporcional ao seu comportamento
*Atitude negativa consigo mesmos ou com a criança
*Atitude defensiva em relação com o tratamento rude que eles mesmos tiveram quando crianças

OUVIR A CRIANÇA E ACREDITAR NELA

As crianças raramente inventam histórias sobre abuso. Simplesmente não têm ainda o vocabulário ou a experiência para inventar essas histórias. O relato que uma criança faz sobre um comportamento que as deixa desconfortáveis é sempre digno de cuidadosa atenção.

AGIR DIANTE DA SUSPEITA DE ABUSO

*Dar os passos necessários para proteger a criança de futuros abusos. Um passo importante para garantir essa proteção é relatar o fato às autoridades.
*Fazer cessar a violência do agressor. Entrar em contato com a polícia é um passo útil para colocar o agressor no seu lugar e conscientizá-lo da responsabilidade por seus atos.
*Fazer o contato entre a família e os serviços de apoio profissional disponíveis.
*Reconstruir o relacionamento familiar onde o arrependimento e a mudança de conduta abrirem caminho para o perdão e a reconciliação.
*Ajudar a família a lamentar a perda de relacionamentos importantes quando a reconciliação não for possível.

ENVOLVER PROFISSIONAIS QUE PODEM AJUDAR

Em muitas partes do mundo, pessoas em posição de poder ajudar – professores, médicos, conselheiros, policiais, assistentes sociais e outros da área da saúde – são legalmente obrigados a relatar uma suspeita de abuso ou negligência a uma autoridade que cuide dos direitos da criança. O comportamento abusivo dos agressores geralmente aumenta com o passar do tempo, se não for impedido. O envolvimento de um amplo círculo de profissionais quando se trata de um caso suspeito de abuso contra crianças resulta numa intervenção efetiva para o agressor, além de ajudar a vítima. O arrependimento, a conversão, a oração e o aconselhamento espiritual podem ajudar o agressor, mas a intervenção profissional é mais eficaz em fazer com que ele se sinta responsável por seus atos e cesse a conduta abusiva.

Denuncie

Quem suspeita de que uma criança esteja sofrendo agressão de qualquer forma deve encaminhar a denúncia para o Conselho Tutelar ou para o Ministério Público de sua cidade o mais rápido possível. Se ficar provado que a criança é vítima de maus tratos, o agressor será punido, e a guarda da criança passará a ser do parente mais próximo.
No caso de maus tratos, a pena varia de dois meses a um ano. Se a agressão resultar em lesão corporal de natureza grave, a pessoa pode pegar de 1 a 4 anos. Já no caso de morte, o agressor pode ser condenado de 4 a 12 anos.


PS.: Esse Texto é bem explicativo e muito abrangente....

Vamos cuidar das nossas crianças com muito AMOR, ATENÇÃO E DEDICAÇÃO!!!

Mesmo quando precisamos Trabalhar e deixar os nossos filhos em Escolas, Creches, com pessoas que aparentemente são de nossa confiança, devemos estar muito atentos à todos os detalhes e principalmente devemos dedicar um tempo para estarmos com eles, pois as crianças tem necessidade de estar com os PAIS, mesmo que não digam ou não demostrem, e isso também pode nos trazer grandes complicações futuras.

Entendo que quando Trabalhamos fora de nossas CASAS , muitas vezes chegamos cansados e sufocados com tantos problemas...... então devemos respirar, esquecer tudo e dedicar um tempo aquele SER tão ESPECIAL , que :
*está ali a nos esperar e nos contar como foi o seu dia
*está contando os minutos (da sua maneira), para receber um abraço
*está precisando de um Beijo
*está querendo ouvir uma Música
*está NOS querendo!!!

Vamos ensinar aos nossos FILHOS o que é o AMOR, para que eles o tenham e passem para os seus...... Quem sabe assim já consigamos conquistar um ESPAÇO melhor nesse MUNDO que está um DESASTRE, mas que pode ficar MELHOR!!!

Abraços e um Ótimo Domingo!!!


Um comentário:

Luma disse...

Regina, eu também acho o blogue "Diga não a erotização infantil" fantástico!
Eu o conheci na época que promovi a blogagem coletiva "Contra a pedofilia em defesa da infância" - onde pedíamos a reabertura de uma cpi para a pedofilia. Encaminhamos a relação de posts em uma carta online para Brasília e foi recompensador saber que a opinião pública motivou a camara a votar a favor da reabertura.
A Ana e a Rosane deram apoio à campanha, divulgando e mais à frente, criando essa nova coletiva. E é muito bonito o trabalho que fazem sem vínculos de obrigação, por amor à causa mesmo!!
Ah, parando com a rasgação de seda! Temos que veicular nossos anseios e vontades para que os gestores desta nação saibam o que pleiteamos.
Boa blogagem! Beijus